Iluminação de emergência: como fazer em São Paulo

A iluminação de emergência é primordial para edificações e áreas de risco e conta com diversas diretrizes para ser instalada corretamente.

Essa iluminação é responsável por oferecer o auxílio necessário para que as pessoas nesses locais possam escapar do perigo, esse é um item necessário em diversos projetos.

Quer saber quais são os requisitos mínimos de segurança para que a sua edificação não seja interditada aqui nos Estado de São Paulo?

Não deixe de continuar lendo esse texto para descobrir todos os detalhes!

Primeiramente: conheça os tipos de iluminações de emergência

Existem diversos tipos de iluminações de emergências que precisam estar presentes em sua edificação a depender de como a mesma é organizada. Essas são:

Iluminação de emergência de aclaramento

Como o próprio nome indica, esse tipo de iluminação é responsável por iluminar os ambientes e passagens.

A iluminação de aclaramento é necessária em salas com área maior de 50 m² e/ou com população maior de 50 pessoas. Quaisquer outras configurações não necessitam contar com esse tipo de iluminação.

Ainda é necessário ficar atento às distâncias máximas:

  • 50 metros entre as luzes;
  • 7,5 metros da parede.

Iluminação de emergência de balizamento

Esse tipo de iluminação é responsável por apontar o caminho correto para a saída do prédio. Ficam acima de todas as portas de saídas em ambientes fechados para mais de 100 pessoas.

Essas lâmpadas ficam acesas sempre e, quando geram 3 lux (medida de iluminação) dispensam iluminação de aclaramento.

Considerações sobre as instalações e aclaramento

Um ponto muito importante do projeto para iluminação de emergência é que, no caso de instalações aparentes de fiação, a tubulação e caixas responsáveis por abrigar os fios devem ser de metal ou PVC antichama.

Isso ajuda a manter a eletricidade sempre presente e evitar tragédias. Outras configurações técnicas são:

  • Luzes em halls, corredores e áreas de refúgio devem ter 3 lux;
  • Luzes onde há desnível (escadas ou passagens com obstáculos) devem ter 5 lux.

Gerador para garantir a disponibilidade de energia

Se um incêndio interromper a disponibilidade de energia, as luzes de emergência de nada servem.

Por isso é necessário contar com um grupo motogerador de energia, garantindo assim que todos possam sair do prédio sem grandes problemáticas.

Para que o gerador realmente cumpra o seu papel, o mesmo deve estar em compartimento resistente ao fogo e em local que não atrapalhe seu funcionamento. Não somente, ele deve ser capaz de gerar energia em no máximo 12 segundos.

Também é importante que ele tenha um indicador de nível de combustível, assim é possível abastecer quando necessário.

Sistemas de baterias

Uma opção são sistemas de baterias centralizadas, que são responsáveis por fornecer energia a todas as luzes de emergência ou blocos autônomos. Para estes, as baterias devem ser de chumbo-ácido selada ou níquel-cádmio, isenta de manutenção.

As quantidades de baterias também devem ser capazes de fornecer eletricidade necessária para evitar as quedas máximas de tensão!

Seguir todas as recomendações do Corpo de Bombeiros pode parecer uma missão bem complicada e complexa, mas para nós, que somos especialistas, é tão somente parte de nosso dia a dia. Portanto, que tal contar com uma assessoria que entende o que faz para te auxiliar na emissão do seu AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros) e o CLCB (Certificado de Licença do Corpo de Bombeiros).

Nós aqui da A5S estamos esperando o seu contato desde já, para que juntos possamos dar este importante passo em seu empreendimento.

Para maiores informações sobre a A5S Laudos e Engenharia entre em contato conosco pelo site www.a5s.com.br ou pelo telefone (011) 98788–8954 ou (011) 2323-8983.

Voltar ao Blog SOLICITE UM ORÇAMENTO