Entenda como instalar o sistema de detecção e alarme de incêndio

Existem diversos pormenores que precisamos nos atentar ao pedir uma licença de funcionamento. Muitos destes itens servem para manter a segurança, é o caso do sistema de detecção de incêndio.

No estado de São Paulo, a Instrução Técnica (IT) que versa sobre os sistemas de detecção e alarme de incêndio é a IT 19/2019. Nela estão dispostos todos os requisitos mínimos necessários.

Neste texto, falaremos os principais pontos dessa normativa, mas já ressaltamos que também é importante ler o texto na íntegra, está bem?

O que diz a instrução técnica 19/2019 antes de tudo, pensar no próprio sistema de detecção

O primeiro ponto que deve ser levado em consideração é que o sistema de detecção e alarme de incêndio deve ser capaz de detectar o princípio de incêndio o quanto antes.

A NBR 17249 da ABNT traz os seguintes sistemas de detecção:

  • Sistema convencional: que cobre de maneira igual uma área;
  • Sistema endereçável: permite saber qual foi o dispositivo que detectou;
  • Sistema analógico: analisa continuamente os valores de temperatura e fumaça, comparando sempre com um valor base definido;
  • Sistema algorítmico: “sistema de detecção analógico no qual os detectores possuem um ou mais critérios de avaliação de medições do ambiente[...]”.

O sistema anti-incêndio deve ter backup de energia

Ao instalar o sistema de alarme de incêndio também se deve levar em consideração que o mesmo deve ter 2 fontes de energização. A principal é o próprio sistema elétrico do prédio, o secundário pode ser composto por baterias, nobreak ou geradores.

Caso o sistema adotado sejam baterias ou geradores, estes devem ter autonomia de 24 horas em modo de espera e suportar, no mínimo, 15 minutos de alerta.

Algumas exigências na instalação

Existem algumas exigências gerais para a instalação do sistema:

  • Ao instalar a central de detecção e alarme, esta deve ficar em um local bastante visível;
  • A distância máxima até um acionador manual não pode ser superior a 30 metros;
  • Esses acionadores, devem ficar em uma altura de 0,9 a 1,35 m do piso;
  • Em prédios com vários pavimentos, deve haver ao menos um acionador em cada um;
  • Caso o local de trabalho seja barulhento ou os trabalhadores utilizem protetores auriculares, também é necessário instalar avisos visuais;
  • Em especial, casas de show e espetáculos, também é obrigado ter um sistema visual;
  • Para detectores sem fio, é importante garantir que a transmissão por rádio frequência não seja perturbada.

Também é necessário testar o sistema

Uma vez instalado, é necessário testar o sistema de detecção e alarme de incêndio. Para isso, existem os seguintes ensaios:

  • Gerador de ar quente para detectores de temperatura;
  • Gás de ensaio ou combustão de materiais existentes no ambiente para detectores de fumaça.

Da manutenção do sistema

É imprescindível que os sistemas de detecção e alarme de incêndio passem por manutenções preventivas periódicas.

Isto é também é um item de avaliação durante as vistorias dos órgãos competentes.

Para a emissão do AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros) e CLCB (Certificado de Licenciamento do Corpo de Bombeiros) é necessário que todas as medidas e segurança sejam atendidas.

Esses são alguns dos principais itens que você encontrará na IT 19/2019. Quer garantir que o seu edifício estará dentro da legislação vigente? Não deixe de contar com a ajuda de uma assessoria especializada!

Nós aqui da A5S estamos esperando o seu contato desde já, para que juntos possamos dar este importante passo em seu empreendimento.

Para maiores informações sobre a A5S Laudos e Engenharia entre em contato conosco pelo site www.a5s.com.br ou pelo telefone (011) 98788–8954 ou (011) 2323-8983.

Voltar ao Blog SOLICITE UM ORÇAMENTO