Acabamento e revestimentos que param incêndios

Quando o assunto é segurança, o investimento nunca é demais. Não somente, a própria legislação traz uma série de itens importantes a fim de restringir o avanço de incêndios.

Estes são os acabamentos e revestimentos anti-incêndio que estão presentes na regulamentação de segurança aqui no Estado de São Paulo. Trata-se da instrução técnica no 10/2019.

Neste texto, falaremos todos os pontos que você precisa saber!

Entenda como funciona a Instrução Técnica no 10/2019.

O que são os materiais de revestimento e acabamento?

Para esta instrução normativa, revestimento é todo material ou conjunto de materiais que é empregado na superfície de construções, estejam localizados na área interna ou externa da edificação. Normalmente, o revestimento atribui conforto, durabilidade, estética etc.

Já os acabamentos são os materiais utilizados entre elementos construtivos, como rodapés, mata-juntas, golas etc.

Por que o controle de materiais de acabamento e de revestimento é necessário?

O controle de matérias de acabamento e de revestimento (CMAR) foi o mecanismo encontrado para evitar que incêndios terminem por ter consequências ainda piores.

Esses revestimentos servem tanto para evitar o crescimento do fogo quanto a própria geração de fumaça. Esta, por sua vez, é uma das principais causas de fatalidades.

Desta forma, em casos de acidentes, os indivíduos podem evacuar o prédio com maior segurança.

Quais são os edifícios que devem preocupar-se com essa Instrução Técnica?

De modo geral, edificações que tenham área menor que 750 m² e altura menor ou igual a 12 m não se enquadram nesta obrigação. Contudo, existem diversas divisões que variam de acordo com o nível do risco de incêndio do edifício.

Por isso, é importante verificar diretamente junto a instrução técnica ou contar com a ajuda de profissionais capacitados para identificar ou não esta necessidade.

Quando apresentar os revestimentos?

Os revestimentos e acabamentos utilizados no prédio devem ser apresentados no Projeto Técnico, apontados na planta baixa e respectivos cortes.

O responsável técnico realiza o controle dos materiais utilizados na construção, sendo o proprietário responsável pela manutenção do mesmo.

Quando o prédio utiliza materiais incombustíveis, não é necessário apresentar documento comprobatório de responsabilidade técnica sobre o uso dos materiais de acabamento e revestimento.

É possível aplicar produtos retardantes, mas cuidado

Uma possibilidade para mitigar a propagação do fogo é utilizar materiais de revestimento retardantes de chama ou inibidores de fumaça.

Mas, ao fazer isso, é importante ficar de olho na validade declarada pelo fornecedor ou fabricante. Outro ponto importante aqui é atentar-se ao tipo de aplicação e também o material que está sendo protegido.

Quais são os materiais que não precisam ser avaliados segundo CMAR?

Existem alguns materiais que não necessitam ser incluídos no CMAR por serem naturalmente incombustíveis. Eles são vidro, concreto, gesso, produtos cerâmicos, pedras naturais (como granito), metais e ligas metálicas etc.

Quer garantir que a sua edificação esteja dentro do que é determinado pelo corpo de bombeiros? Não deixe de contar com uma assessoria especializada no assunto e fique com a consciência leve!

Aqui em nosso blog, você pode ver, em detalhes, diversos artigos onde explicamos um pouco mais sobre o mundo das Instruções Técnicas, e todos os requisitos que devem ser seguidos na emissão do seu AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros) e o CLCB (Certificado de Licença do Corpo de Bombeiros).

Para maiores informações sobre a A5S Laudos e Engenharia entre em contato conosco pelo site www.a5s.com.br ou pelo telefone (011) 98788–8954 ou (011) 2323-8983.

Voltar ao Blog SOLICITE UM ORÇAMENTO